Por Rithyele Dantas
Um grupo que cresce rápido como um foguete está dando o que falar nas redes e na imprensa. O grupo “Mulheres Unidas Contra Bolsonaro” já tem mais de um milhão de mulheres em 4 dias. Mulheres de diversos estados e um único propósito: derrotar o candidato de extrema direita nas urnas.
2
Print do grupo Mulheres Unidas Contra Bolsonaro

 

Segundo pesquisa do Instituto Datafolha divulgada nesta segunda-feira (10), cresce o número de rejeição do candidato Jair Bolsonaro (PSL) entre mulheres, 49% não votariam nele de jeito nenhum. Mulheres brasileiras podem ser tornar uma grande muralha entre o candidato e o cargo da presidência.

Ao contrário do que muitos podem pensar, o grupo não se dedica o dia todo a escrachar Bolsonaro – muito pelo contrário. Como tática de não dar visibilidade ao nome, ele é até conhecido como “o inominável.” O grupo também é muito propositivo. São mulheres de diversos estados indicando candidatos que concorrem a outros cargos este ano – como é o caso de deputados estaduais, federais e senadores. As indicações, como era de se esperar, estão mais voltadas às candidatas mulheres. O grupo que cresce de forma muito rápida também comemora votos que conseguem reverter, tirando-os, assim, de Bolsonaro.
nome
Não falei que ele era “O Inominável”?
Captura de Tela 2018-09-12 às 11.32.28
Print do grupo no facebook

É PRA ENTRAR PRA HISTÓRIA DO BRASIL

Um momento histórico está colocado: mais de um milhão de mulheres brasileiras se organizam em um grupo do facebook contra um candidato que não as representa e, sistematicamente, também as agride. Em tempos de robôs de internet que atacam pessoas e ideias – e que também compõe grande parte dos seguidores do candidato – pessoas reais se movimentam a fim de fortalecer a democracia. As Mulheres Unidas Contra Bolsonaro vão às ruas. As manifestações estão sendo organizadas para o próximo sábado, dia 29, em diversos estados, como o Rio de Janeiro, São Paulo, Fortaleza, Porto Alegre. A mobilização de norte ao sul, pelo Brasil afora. A expectativa é de que a participação popular seja imensa!
Unknown
Print do perfil de uma das moderadoras do grupo.

TRUMP, BOLSONARO E MULHERES CONTRA O FACISMO

O Brasil nunca viu manifestações deste tamanho, na semana de uma eleição presidencial, nem a favor, nem contra um presidenciável. Seria um fenômeno de rejeição parecido com o que houve contra o presidente americano Donald Trump no ano passado, com a diferença que, no Brasil, as manifestações estão programadas para antes das eleições.
Ano passado, Washington, Nova Iorque, Los Angeles, Chicago, além de outros estados e até países se juntaram na Marcha das Mulheres. Foi um enorme movimento contra a agenda ultraconservadora de Trump e por mais mais mulheres no poder. 24 horas depois de sua posse – que não conseguiu encher as ruas -, milhares marcharam em Washington D.C para mostrar que existia um outro país, um Estados Unidos que não o elegeu, um país de mulheres, negros, LGBTs e imigrantes insatisfeitos com o novo habitante da Casa Branca.
mw-860
Insira umaManifestação antiTrump em Londres, este sábado
NEIL HALL/REUTERS 

 

“Presidente Trump, eu não votei em você. Dito isto, respeito que seja presidente e quero apoiá-lo, mas primeiro peço que me apoie, apoie minha irmã, minha mãe, minha melhor amiga, todas as pessoas que esperam ansiosamente para ver como sua próxima manobra pode afetar drasticamente as vidas delas”, expressou a atriz e ativista Scarlett Johansson, durante o protesto.

Além de Scarlett, Madonna também se pronunciou:

“não aceitem esta nova era de tirania em que não apenas as mulheres estão em perigo, mas todas as pessoas marginalizadas (…) A revolução começa aqui, este é o começo de uma mudança muito necessária”.

BOLSONARO REPRESENTAR UM SENTIMENTO, NÃO RENOVAÇÃO

Seja nas redes ou nas manifestações de rua, são inúmeras as acusações contra Bolsonaro de machismo, racismo, LGBTfobia, da criminalização da pobreza e também sobre sua atuação parlamentar. Mas, ainda sim, ele é o líder das pesquisas num país majoritariamente feminino, negro e onde poucos concentram a riqueza.

Estudos publicados na Social Psychological and Personality Sciences e na Critical Sociology mostram que a eleição de Donald Trump foi, sobretudo, motivada por uma personalidade autoritária e não, necessariamente por propostas consistentes. O que conhecemos convencionalmente como o “machão”. E Bolsonaro também parte de um mesmo lugar: não tem histórico de lutas por mais direitos, pelo fim de privilégios aos políticos ou contra a corrupção. É líder porque, assim como Trump, tem personalidade arbitrária, Bolsonaro representa uma arma de fogo contra vozes potentes que vêm surgindo – entre elas, as mulheres.

A antropóloga Rosana Pinheiro Machado analisou o comportamento de jovens pós-junho de 2013 e ocupação das escolas em 2016. A partir dessa análise, percebeu que meninas jovens que eram apenas figurantes do movimento que ficou conhecido como “rolezinho”, depois do movimento de ocupação de escolas, são protagonistas, verdadeiras líderes. Postura que incomoda e chega a intimidar os meninos.

 

“Um deles chegou a me dizer que se sentia “oprimido” pelas colegas.”, escreveu Rosana em reportagem no The Intercept Brasil.

Bolsonaro representa as pernas do patriarcado que vêm ficando cada vez mais bambas. Não é uma candidatura, não é sobre renovação política, é uma reação violenta e discursivamente destrambelhada aos avanços de grupos minorizados. Só para ficar não exemplo das mulheres, o candidato já afirmou que elas deveriam receber menos que os homens, por estarem sujeitas a engravidar. Disse que “fraquejou” quando teve uma filha e não um filho. Criminosamente, gritou sobre a deputada Maria do Rosário que não a estupraria porque “ela não merecia”, entre mil outras barbaridades.
30714988_2168178783197568_4699146722398437376_o
Foto: Rithyele Dantas

AS MULHERES SÃO O VERDADEIRO FENÔMENO DAS ELEIÇÕES DE 2018

As mulheres ainda são pouco “autorrepresentadas” na política institucional – apenas 10% dos parlamentares do Congresso são mulheres. É um jogo masculino, branco e elitizado.

Os motivos são muitos: candidatas mulheres sofrem com a falta de infraestutura de suas candidaturas por culpa do machismo dos partidos. Sem uma campanha forte, muitas vezes não conseguem chegar às pessoas. E, ainda, nesse imbróglio, nem mesmo os 30% de candidaturas de mulheres, obrigatório pela legislação, são respeitados pelos partidos. O resultado das últimas eleições municipais nos mostraram isso mais uma vez. Em 2016, segundo o TSE, dos 16.131 candidatos que não tiveram nenhum voto nas eleições municipais 14.417 eram mulheres. É o que conhecemos como “candidaturas-fantasmas”, uma maneira de burlar a cota.

Mas, ainda assim, mulheres estão buscando representatividade feminina (e feministas!) nas instituições.

 

8 M
8 de março no Rio de Janeirio | Foto: Rithyele Dantas

 

Surgiram muitas especulações de quais seriam as maiores surpresas das eleições 2018 em tempos de internet, Fake News, bots de internet e Big Data. Obviamente esses fatores estão colocados, mas, ao que parece, o maior fenômeno mesmo será a força das mulheres que, despretensiosamente, arrastou multidões através de um “simples” grupo de Facebook. Um espaço que nasce contra uma personalidade agressiva, autoritária e machista. Uma personalidade violenta às mães, filhas e netas, violenta a corpos e subjetividades femininas.

Unknown
Ato pela Legalização do Aborto do Rio | foto: Rithyele Dantas

Falta menos de um mês para o primeiro turno das eleições. As cenas do próximos capítulo assistiremos até o fim de outubro.

 

 

 

rithy_Prancheta 1
Rithyele Dantas, tem 22 anos, é estudante de jornalismo no Rio de Janeiro. É fotojornalista,  já atuou como educadora popular e se considera uma “fazedora” . É fundadora do jornalistaspretas.org, uma construção que acredita ser importante para a garantia dos direitos humanos.

Um comentário sobre “Mulheres contra “O Inominável”: o maior fenômeno das eleições 2018

  1. Mulheres trabalham cuidam da casa dos filhos do marido, mulher mãe guerreira deve ter seu direitos iguais ( salários ) caminhar lado a lado para o bem de sua família! Mulher branca, mulher negra mulher Juntas somos muito mais forte,na luta contra o preconceito!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s